ACESSE O BLOG OFICIAL DO LIVRO "UM SALTO NA ESCURIDÃO"


PUBLICAÇÕES MAIS RECENTES

18.9.08

O CRIME DO DR. JINDAL

O mestre dos contos grotescos Paulo Soriano nos brinda mais uma vez com um conto sui generis de ficção-científica. Boa leitura!



O CRIME DO DR. JINDAL
Paulo Soriano


Nasci a bordo da Pegasus, filho de um engenheiro espacial e de uma simples auxiliar de enfermagem. Embora cada um dos tripulantes da nave tivesse passado por um rigoroso teste de seleção – e isso implicava um rastreamento genético, que ascendia a várias gerações pretéritas –, por algum motivo, há bem pouco tempo inexplicável, nasci com um defeito inadmissível em tripulantes de naus interestelares. A lei no espaço é de uma rigidez de aço. Conheço-a muito bem. Contudo, o antigo geneticista-chefe da missão era amigo íntimo de meu pai e, por isso, às ocultas, eu fui poupado. Decerto não apenas a amizade pesara em sua decisão: certamente (assim confidenciou-me a minha mãe moribunda), o Dr. Jindal avaliara que eu não significava um risco considerável para a missão. Atualmente, eu acrescentaria um motivo mais incisivo. Meu pai nunca soube de minha anomalia e dela tomei conhecimento recentemente: contou-ma a minha mãe, em seu leito de morte. Ela ia confidenciar-me algo mais – algo que me pareceu urgente e importante – , mas não houve tempo.

Hoje, também o meu pai está morto. O Dr. Jindal ainda vive – tem quase noventa anos e sofre de esclerose aguda –, e, como ele já o esqueceu, não é mais o único, além de mim, que sabe de meu segredo. Estudei Direito e sou o magistrado-mor da Pegasus. A corte a que presido, composta por três juízes e um escrivão, se reúne uma vez por mês para instrução e imediato julgamento. As causas são raras e, geralmente, de simples resolução. Hoje, porém, o Ministério Público apresentou à corte um caso complexo. O réu é o próprio Dr. Jindal.

Viera da Terra uma denúncia contra o geneticista. Ela levara tinta e sete anos para chegar até nós. Há quarenta e cinco anos que vagamos no espaço e, sequer, estamos a meio caminho de Alfa do Touro. Daí toda preocupação com a perfeição genética das gerações futuras.

Pesa sobre Dr. Jindal a acusação de haver contribuído para a falsificação de seu histórico genético no exame de admissão à Missão Alfa do Touro. Ele, além de ser em si mesmo um perigoso contrafator, mascarara uma predisposição à transmissão de um raro gene, responsável por uma disfunção do caráter, potencialmente perigosa para a missão.

O primeiro juiz votou pela absolvição: argumentou que Dr. Jindal era um celibatário, não deixara prole e, nos dias atuais, não poderia mais procriar. Concluiu que a intenção da lei era garantir a segurança genética das proles vindouras. Inexistente o risco, não haveria por que condenar o octogenário. Além disso, o Dr. Jindal não teria, devido à esclerose avançada, consciência do ilícito que praticara há mais de cinqüenta anos, e nem entenderia o caráter punitivo da aplicação da pena capital.

O segundo magistrado votou pela condenação: durante todo o tempo em que permanecera na nave, o Dr. Jindal a expusera a um risco que não se poderia admitir. O simples fato de pôr deliberadamente a missão em risco era suficiente à condenação, pouco importando o atual estado de consciência do criminoso.

Pois bem: a vida do homem que me salvara estava nas minhas mãos. O voto de Minerva era meu. Qualquer ser humano minimamente decente levaria em consideração este fator. Mas, convenhamos: eu padeço de uma disfunção genética, que afeta o meu caráter irremediavelmente: sou vingativo. Portanto, não terei qualquer responsabilidade ao assinar o decreto de morte do Dr. Jindal. Afinal, foi ele próprio quem me transmitiu o gene da vindita. Como poderia perdoar alguém que fez de minha mãe uma adúltera e que me ocultou, durante tanto tempo, a minha verdadeira e odiável origem?

Amanhã, às imaginárias nove horas da manhã, Dr. Jindal enfrentará a câmara de gás.

Um comentário:

P. v. d. Linden disse...

Realmente um conto sui generis, muito diferente dos contos de ficção científica que rolam por ai. Gostei!

LÊ AGORA!

A Rainha dos Pantanos - Henry Evaristo

Virgílio - Henry Evaristo

UM SALTO NA ESCURIDÃO - Henry Evaristo publica seu primeiro livro

O CELEIRO, de Henry Evaristo

Índices gerais

COMUNICADO

Este blog possui textos e imagens retirados de outros sites. No entanto, não temos intenção de nos apropriar de material autoral de quem quer que seja e solicitamos a quem não desejar ver sua obra republicada pela Câmara que entre em contato pelo e-mail disponibilizado para que nós possamos retirar imediatamente o conteúdo.

Qualquer contato pode ser feito pelo e-mail:

voxmundi80@yahoo.com.br



Henry Evaristo

Clique nos meses para ver nossas publicações.

LICENÇA DE USO DO CONTEÚDO DESTE BLOG

Selos de qualidade recebidos pela CT!

<b>Selos de qualidade recebidos pela CT!</b>
Indicado por Carla Witch Princess do blog WITCHING WORLD e por Tânia Souza do blog DESCAMINHOS SOMBRIOS.

Indicado pelo site GOTHIC DARKNESS

Indicado por Duda Falcão do blog Museu do Terror (www.museudoterror.blogspot.com)


Oferecido por Pedro Moreno do blog CRIPTA DE SANGUE



Indicado por VAMPIRELLA do blog Artes VAMPIRELLA http://vampirella84arts.blogspot.com/




Criado por WITCH PRINCESS; indicado por Tânia Souza do Descaminhos Sombrios.

Blog indicado: MASMORRA DO TERROR


AVISO AOS ESPERTINHOS!

CÓDIGO PENAL - ARTIGOS 184 E 186


Art. 184. Violar direitos de autor e os que lhe são conexos:

Pena – detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, ou multa.

§ 1º Se a violação consistir em reprodução total ou parcial, com intuito de lucro direto ou indireto, por qualquer meio ou processo, de obra intelectual, interpretação, execução ou fonograma, sem autorização expressa do autor, do artista intérprete ou executante, do produtor, conforme o caso, ou de quem os represente:

Pena – reclusão, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa.

§ 2º Na mesma pena do § 1o incorre quem, com o intuito de lucro direto ou indireto, distribui, vende, expõe à venda, aluga, introduz no País, adquire, oculta, tem em depósito, original ou cópia de obra intelectual ou fonograma reproduzido com violação do direito de autor, do direito de artista intérprete ou executante ou do direito do produtor de fonograma, ou, ainda, aluga original ou cópia de obra intelectual ou fonograma, sem a expressa autorização dos titulares dos direitos ou de quem os represente.

§ 3º Se a violação consistir no oferecimento ao público, mediante cabo, fibra ótica, satélite, ondas ou qualquer outro sistema que permita ao usuário realizar a seleção da obra ou produção para recebê-la em um tempo e lugar previamente determinados por quem formula a demanda, com intuito de lucro, direto ou indireto, sem autorização expressa, conforme o caso, do autor, do artista intérprete ou executante, do produtor de fonograma, ou de quem os represente:

Pena – reclusão, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa.

§ 4º O disposto nos §§ 1o, 2o e 3o não se aplica quando se tratar de exceção ou limitação ao direito de autor ou os que lhe são conexos, em conformidade com o previsto na Lei nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998, nem a cópia de obra intelectual ou fonograma, em um só exemplar, para uso privado do copista, sem intuito de lucro direto ou indireto.



Seja um fiel seguidor da Câmara dos Tormentos!

LÊ AGORA!

Matilhas - Henry Evaristo

O Lugar Solitário - Henry Evaristo

A Clareira dos Esquecidos (primeira parte) - Henry Evaristo

O OCASO DE HAES-NORYAN, de Henry Evaristo

EU REÚNO AS FORÇAS DOS ABÍSMOS , de Henry Evaristo

Antologia do Absurdo! Um valhacouto de histórias trêfegas! Adquira o seu!

<b>Antologia do Absurdo! Um valhacouto de histórias trêfegas! Adquira o seu!</b>
Para mais informações, clique na imagem!