ACESSE O BLOG OFICIAL DO LIVRO "UM SALTO NA ESCURIDÃO"


PUBLICAÇÕES MAIS RECENTES

26.7.07

UM PREGO NO JAZIGO

Mais uma vez a Câmara tem a honra de apresentar uma colaboração do amigo e auteur extraordinaire português Alexandre Cthulhu. Um conto de terror sobrenatural denso e assustador! Boa leitura!








UM PREGO NO JAZIGO

Autor: Alexandre Cthulhu

Introdução:

Alguns de vocês já conhecem os meus contos, e sabem que o escrevo são apenas histórias de ficção, inspirados (ou não) em temas da vida real. Mas o que vos vou narrar a seguir não é ficção. É real, e foi um dos episódios mais macabros que assombrou a minha juventude.



Por isso, deixo-vos aqui um conselho sério: NUNCA BRINQUEM COM AQUELES QUE DESCANSAM EM PAZ; NUNCA APELEM AOS ESPIRITOS DAS TREVAS!


______________________________________________________

O sopro do Altíssimo vento teimava em enxotar tudo à sua frente, fustigando as ruas sob a noite chuvosa que se ensombrara. As casas pareciam assustadas na sua viuvez urbana, e eu deambulava pela rua acompanhado de mais dois amigos, o João e o Manuel.

Tínhamos andando a curtir pela noite fora e andávamos eufóricos. Tínhamos bebido uns copos e tínhamos conhecido umas gajas com quem tínhamos fodido. Sob uma grande ressaca, vagueávamos pela rua. Trazíamos connosco uma garrafa de Whisky que íamos tragando, passando-a de mão em mão. Riamos e galhofávamos pela estrada fora, sem caminho e sem rumo.

- Vamos até minha casa – Sugeriu o João com dificuldade. A língua enrolava-se-lhe na boca quando tentava dizer qualquer coisa.

- Boa ideia – respondi - Estou farto de andar aqui às voltas pela rua.

Do local onde estávamos, até à casa dele demorámos apenas alguns minutos.

Ele vivia num anexo nas traseiras da casa dos pais. Tinha portanto, total independência para fazer o que quisesse.

Lá dentro sentamo-nos no maple e continuámos a beber whisky e cerveja que ele trouxera do frigorífico, bem fresquinha.

Inesperadamente, apercebi-me que o João fazia um charro. O anel de ouro branco cintilava-lhe nos dedos esguios, enquanto segurava a mortalha. Depois acendeu o cigarro, deu duas “passas” e ofereceu o charro ao Manuel. O ambiente começava a tornar-se num marasmo de demência e loucura total.

- Vamos jogar poker – sugeriu o Manuel.

- Boa ideia – concordei.

- Não – Interveio o dono da casa, discordando – vamos fazer um jogo diferente.

- O quê? – Perguntei curioso.

- Vamo-nos divertir com o jogo dos espíritos – ordenou ele, sob um sorriso tétrico.

- Jogo dos espíritos? – Questionou o Manuel.

- Não gosto disso. Já ouvi contar umas merdas acerca desse jogo de bruxas…

- Deixem-se de mariquices. – Asseverou ele, cortando-me a frase. Trazia o tabuleiro numa mão e uma garrafa de vodka noutra. O álcool abundava em sua casa como se a sua sobrevivência dependesse disso.

- Que raio? – Indaguei.

- É o tabuleiro de Ouija. É usado em adivinhação e espiritualismo. As letras do alfabeto e estas (”sim”, “não”, “adeus” e “talvez”) – disse ele, exibindo-nos o tabuleiro - servem para formarmos uma frase que será construída depois de rodarmos um ponteiro sobre o tabuleiro. É o jogo dos espíritos. Alguém tem medo?

Nem eu nem o Manuel respondemos. E foi em mergulhados neste silêncio que concordámos em jogar com ele. A personalidade persuasiva do João convencia-nos a fazer tudo o que ele queria. Sempre foi assim e assim voltara a ser naquela noite.

Começámos por unir os dedos sobre o ponteiro e o João lançou a primeira pergunta.

-Algum de nós vai morrer?

Largamos o ponteiro e este, após rodar várias vezes, ficou parado no lado superior esquerdo, mesmo a apontar para a palavra “sim”.

Rimo-nos.

De seguida voltamos a pressionar o ponteiro, e foi a minha vez de fazer a pergunta.

- Quando?

O ponteiro girou e girou, até que faleceu nas letras “H”, depois na “O”, seguidamente na “J”, e por fim no “E”.

- Hoje? – Questionámos nós em uníssono.

-Este jogo é uma merda! – Asseverei.

Foi a vez de o Manuel fazer a pergunta.

- Como vai essa pessoa morrer? – Questionou ainda a rir.

O Ponteiro voltou a rodopiar e apontou as letras “J” “A”Z” “I” “G” “O” “ e de seguida “P” “R”E” “G” O”.

Ficámos a olhar uns para os outros. Confesso que não me senti bem e acabei por disparar:

- Vamos acabar com esta palhaçada. - Levantei-me e dirigi-me para a porta. Apercebi-me que o Manuel também se tinha levantado, dando mostras de desistir daquela brincadeira sinistra.

O João, meio cambaleante, abandonou o tabuleiro e dirigiu-se até nós para nos expulsar de sua casa, mas acabou por desistir da ideia a meio de percurso, acabando por sair connosco. Num gesto inconsciente, olhei para trás e reparei que o tabuleiro ficara destapado e abandonado sobre a mesa, mas acabei por não dar grande importância à situação, pois queria era sair dali para fora.
Regressamos para a rua, onde recebemos o vento frio na cara. Voltámos a caminhar pela noite, conversando sobre aquele jogo lúgubre que me tinha perturbado, e confesso, me tinha transmitido algum medo, também. O Manuel também não estava bem, isso percebi, pela forma trémula como tentava acender o cigarro.

Aparentemente o João estava bem. Além de bêbado, estava bem.

A neblina húmida adensara-se e caiu sobre as ruas deserta que teimávamos em percorrer. Inesperadamente demos de caras com um muro alto que se ergueu sobre as nossas cabeças. Era o muro do cemitério, cujos portões de aço maciço se elevaram ameaçadoramente sobre as nossas cabeças.

-Este local é sinistro. – Balbuciou o Manuel meio encolhido.

- Sim, mas afinal… onde estamos?...Que local é este? – Inquiri eu, meio confuso.

- É, pá! Estou rodeado de mariconços! – Escarneceu o João, exibindo o seu ar destemido.

- Mariconços, não! Isto mete medo! – Contestei.

- Mas qual é o vosso problema? Não percebem que estamos no cemitério da nossa aldeia; a única diferença é que está nevoeiro e ele parece diferente! – Afiançou o João, que saltou para cima do muro, onde se sentou a fumar. O anel cintilava-lhe no dedo anelar. Ele trajava uma extensa capa de chuva que lhe abonava um ar medonho e aterrador.

Confesso que aquele modo arrogante do João me importunou tanto que tive vontade de lhe arremessar com uma pedrada à cabeça. Todavia, o meu ímpeto fora travado por uma ideia mordaz, que decidi partilhar com o Manuel.

-Vamos “picá-lo” para ele ir lá dentro ao cemitério, e quando ele lá estiver dentro, fugimos e deixamo-lo aí sozinho. O que achas? – Sussurrei eu ao ouvido do Manuel.

-Boa ideia, e como o vais convencer a ir lá dentro?...

– Inquiriu o meu amigo, coçando o queixo.

-Deixa isso comigo. Tens aí uma nota de cinquenta euros? – Perscrutei.

-Sim, tenho aqui! – Disse o Manuel, entregando-me o dinheiro sem qualquer hesitação.

Apercebi-me que o João continuava em cima do muro do cemitério, mas agora prostrava-se deitado de papo para o ar, a fumar outra ganza.

Dirigi-me então até junto do João, e foi com algum assombro que lhe dirigi o repto.

- Olha João, eu e o Manuel apostámos cem euros em como tu não és capaz de ir lá dento ao cemitério espetar um prego no jazigo que estiver mais a “norte”...

- Ah, estão a ver se me conseguem acagaçar por causa daquela parvoíce do jogo dos espíritos?... Vocês apostaram, o quê?..Cem euros?..ah, já são meus! – Balbuciou ele, com uma voz tremendamente glacial.

- Está aqui um prego. – Declarou o Manuel, retirando o espeto de aço do bolso, que encontrara... não sei bem onde, nem como. – Podes pregá-lo com esta pedra.

E foi com enorme frieza, que o João deitou a ganza fora e saltou o muro para outro lado, numa demonstração clara de extrema ousadia.

- Os cem euros já são meus! – Ecoou a voz dele do meio das campas.

A noite turvara-se ainda mais numa bruma intensa, e inesperadamente levantou-se uma forte ventania que arremessou as folhas dos ciprestes pela estrada adiante. Quando eu e o Manuel nos preparávamos para fugir daquele local perverso, escutámos os baques secos provenientes das batidas no túmulo dos punhos do João, que intervalava as pancadas com um sorriso sinistro e sombrio. Seguidamente, o ruído cessara e dera lugar a um silêncio lúgubre e inquietante. Instalara-se um sossego fúnebre, mas que foi macabramente rachado por um grito pavoroso e agudo, proveniente da garganta do João, que gelou as nossas almas de pavor e medo!

Prontamente, eu e o Manuel voltámos para trás e trepámos o muro para ir ao encontro do nosso camarada, a fim de percebermos o que lhe tinha acontecido. Ao fim de alguns metros, encontrámos o corpo do João caído junto ao túmulo. Notei que o corpo se prostrava numa posição torta e estranha. A sua mão ainda segurava a pedra com que tivera a pregar o túmulo. O anel ainda cintilava.

- João, João! – Bradou o Manuel, tentando deslocar o seu corpo para o endireitar.

E foi com um terror arrepiante que verificámos que o João pregara a capa de chuva ao túmulo sem dar conta disso, e ao virar bruscamente as costas, a sua capa ficara “presa ”, o que o levou a ficar apavorado e a morrer de MEDO!

FIM

LÊ AGORA!

A Rainha dos Pantanos - Henry Evaristo

Virgílio - Henry Evaristo

UM SALTO NA ESCURIDÃO - Henry Evaristo publica seu primeiro livro

O CELEIRO, de Henry Evaristo

Índices gerais

COMUNICADO

Este blog possui textos e imagens retirados de outros sites. No entanto, não temos intenção de nos apropriar de material autoral de quem quer que seja e solicitamos a quem não desejar ver sua obra republicada pela Câmara que entre em contato pelo e-mail disponibilizado para que nós possamos retirar imediatamente o conteúdo.

Qualquer contato pode ser feito pelo e-mail:

voxmundi80@yahoo.com.br



Henry Evaristo

Clique nos meses para ver nossas publicações.

LICENÇA DE USO DO CONTEÚDO DESTE BLOG

Selos de qualidade recebidos pela CT!

<b>Selos de qualidade recebidos pela CT!</b>
Indicado por Carla Witch Princess do blog WITCHING WORLD e por Tânia Souza do blog DESCAMINHOS SOMBRIOS.

Indicado pelo site GOTHIC DARKNESS

Indicado por Duda Falcão do blog Museu do Terror (www.museudoterror.blogspot.com)


Oferecido por Pedro Moreno do blog CRIPTA DE SANGUE



Indicado por VAMPIRELLA do blog Artes VAMPIRELLA http://vampirella84arts.blogspot.com/




Criado por WITCH PRINCESS; indicado por Tânia Souza do Descaminhos Sombrios.

Blog indicado: MASMORRA DO TERROR


AVISO AOS ESPERTINHOS!

CÓDIGO PENAL - ARTIGOS 184 E 186


Art. 184. Violar direitos de autor e os que lhe são conexos:

Pena – detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, ou multa.

§ 1º Se a violação consistir em reprodução total ou parcial, com intuito de lucro direto ou indireto, por qualquer meio ou processo, de obra intelectual, interpretação, execução ou fonograma, sem autorização expressa do autor, do artista intérprete ou executante, do produtor, conforme o caso, ou de quem os represente:

Pena – reclusão, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa.

§ 2º Na mesma pena do § 1o incorre quem, com o intuito de lucro direto ou indireto, distribui, vende, expõe à venda, aluga, introduz no País, adquire, oculta, tem em depósito, original ou cópia de obra intelectual ou fonograma reproduzido com violação do direito de autor, do direito de artista intérprete ou executante ou do direito do produtor de fonograma, ou, ainda, aluga original ou cópia de obra intelectual ou fonograma, sem a expressa autorização dos titulares dos direitos ou de quem os represente.

§ 3º Se a violação consistir no oferecimento ao público, mediante cabo, fibra ótica, satélite, ondas ou qualquer outro sistema que permita ao usuário realizar a seleção da obra ou produção para recebê-la em um tempo e lugar previamente determinados por quem formula a demanda, com intuito de lucro, direto ou indireto, sem autorização expressa, conforme o caso, do autor, do artista intérprete ou executante, do produtor de fonograma, ou de quem os represente:

Pena – reclusão, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa.

§ 4º O disposto nos §§ 1o, 2o e 3o não se aplica quando se tratar de exceção ou limitação ao direito de autor ou os que lhe são conexos, em conformidade com o previsto na Lei nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998, nem a cópia de obra intelectual ou fonograma, em um só exemplar, para uso privado do copista, sem intuito de lucro direto ou indireto.



Seja um fiel seguidor da Câmara dos Tormentos!

LÊ AGORA!

Matilhas - Henry Evaristo

O Lugar Solitário - Henry Evaristo

A Clareira dos Esquecidos (primeira parte) - Henry Evaristo

O OCASO DE HAES-NORYAN, de Henry Evaristo

EU REÚNO AS FORÇAS DOS ABÍSMOS , de Henry Evaristo

Antologia do Absurdo! Um valhacouto de histórias trêfegas! Adquira o seu!

<b>Antologia do Absurdo! Um valhacouto de histórias trêfegas! Adquira o seu!</b>
Para mais informações, clique na imagem!