ACESSE O BLOG OFICIAL DO LIVRO "UM SALTO NA ESCURIDÃO"


PUBLICAÇÕES MAIS RECENTES

4.1.10

A RAINHA DOS PANTANOS


http://4.bp.blogspot.com/_Kvq7GWQ-IrY/R7tLWywDU3I/AAAAAAAAAL0/B7qN1QATVGY/s400/swamp.jpg

A RAINHA DOS PANTANOS

Henry Evaristo


Por entre as brumas de um pensamento embargado ela corre.

E seus cabelos vão soltos pelo ar como se levassem consigo toda a esperança e tudo o que é bom.

Ao longe eu a vejo, aqui deste poço fétido onde habito. E ela é como uma luz dourada que rasga a escuridão de um mundo falecido.

Ah, minha rainha! Eis-me aqui, prostrado, em meu lugar triste. E ainda mais triste me faz a agonia de te avistar tão distante, evoluindo pelos campos longínquos, solta, livre, exposta...

Um dia sonhei que podias ser tão completamente minha! E em nome desta utopia viajei pelos séculos e milênios de um universo mirífico até vir dar às plagas onde dominas. Mas, ingênuo eu era, e a realidade pétrea, que pensara deixar para trás, acompanhou-me também até este mundo que é teu e no qual o mal não deveria grassar.

Mas eu sou filho do homem, e como tal, a maldição me persegue.
A tristeza de ver se esvaindo por entre meus dedos tudo aquilo que prezo e conquisto,
me persegue.

A angustia de ver, num átimo, outros se interpondo em meu caminho para depredar,
para esmigalhar,
para destruir,
me persegue.



Sou um fraco, minha rainha. Não sei de nada. Como um pássaro que acabou de nascer, preciso que me alimentem para que não morra. Tanto pior, como sou filho da terra, tenho em mim o gélido sentido dos errados, e posso cometer sandices em nome deste instinto.

Vim ao teu mundo por que ele pareceu aberto para mim. Por longas eras eu te procurei, e quando avistei sem trancas as portas de teu reino, achei mesmo, eu, que era só para mim.

Mas hoje, aqui de meu poço apodrecido, avisto ígneas criaturas que se arrastam em teu encalço. E as vejo encostarem seus tentáculos em ti! As assisto desfilando suas patas nojentas e suas bocas imundas por teu corpo.

"Ouve, minha rainha! Este grito de algo que foi ferido de morte, que repercute nos pântanos tal qual o uivo ominoso de alguma fera danada, sou eu e a dor que não aguento. E a cada novo lamento que tu ouvires se propagando no ar, é que arranco com meus próprios dentes mais um pedaço de mim impregnado de ti.

Por que podem roçar tua pele estes vermes malditos e não eu?
Por que podem invadir teu corpo e te conhecer por dentro como eu nunca poderei?

Ah, minha rainha, minha vida findou-se e agora sou menos que nada. Estou perdido numa noite sem fim e só o que ouço nessa escuridão eterna são os ruídos de um prazer que jamais poderei causar.

Ai, que essa sapiência me matou! Preferiria mil vezes ser louco e de nada me dar conta. Preferiria mil vezes que me arrancassem logo todas as carnes onde um dia imaginei sentir seu toque. Pois ainda sinto suas mãos macias desfilando sobre meu corpo em meus sonhos mais feéricos e é-me impossível suportar o peso da consciência de que um dia mãos que não são as minhas desfilarão também pelo seu.

Na madrugada fria eu ouso clamar por seu nome, Malaghani, amor meu! Mas imagino que não virás mais. Primeiro por que a toca em que me espojo transformou-se no esconderijo de um ser agônico que nada mais aceita pois tornou-se mais negro que a noite; depois por que as mãos das bestas horrendas não te soltarão jamais.

Mas ao longe eu ainda te vejo.
Ai, para horror meu!
Que coisa asquerosa vislumbro agora tal qual testemunha muda de um crime hediondo!
Vejo aquela criatura que encosta em teu semblante como um dia eu mesmo o fiz!
E suas mil línguas de porco andam agora por onde um dia andou a minha!

Vou partir, Malaghani!

Os rincões dos meus sonhos foram invadidos. Sou um derrotado que veio de tão longe para encontrar a perdição onde buscava redenção. Mas arrancarei meus olhos, minha rainha, e os plantarei aqui, em vossa terra. E, se um dia vier te acariciar uma das bestas malignas sob a sombra de uma grande árvore cor de sangue, saberás que foi aqui que eu jazi e onde um dia arranquei também meu coração que, de tanta dor, mais conforto me deu sua ausência.

Mas não posso ir sem antes deixar escrito meu legado num pedaço de minha própria pele na qual envolverei meus olhos e meu coração. Algo que deveria ter dito antes das monstruosidades penetrarem meu paraíso:

"Aqui viveu um buscador triste. Que amou em silêncio por medo de um mundo tão distante. E pelo silêncio e pelo medo perdeu seu amor.

Ele amou Malaghani, a rainha dos pântanos de seu mundo onírico.

Mas vis criaturas, vindas de terras devastadas, invadiram seus sonhos, e tomaram sua rainha decretando sua morte em vida no mesmo instante.

Ele partiu, em frangalhos. Mas saiba, incauto que para estas plagas vier depois, que um amor tão grande paira para sempre por aqui; por estes pântanos assombrados onde reina Malaghani de todos os sonhos."
------------------------------------------------------------------------------------------

NOTA: A personagem Malaghani foi criada originalmente para um miniconto publicado no site Recanto das Letras.
NOTA 2: Este é um texto de ficção fantástica. Não possui quaisquer relações com pessoas, lugares ou situações reais, tampouco representa opiniões e/ou posicionamentos pessoais de seu autor.

Nenhum comentário:

LÊ AGORA!

A Rainha dos Pantanos - Henry Evaristo

Virgílio - Henry Evaristo

UM SALTO NA ESCURIDÃO - Henry Evaristo publica seu primeiro livro

O CELEIRO, de Henry Evaristo

Índices gerais

COMUNICADO

Este blog possui textos e imagens retirados de outros sites. No entanto, não temos intenção de nos apropriar de material autoral de quem quer que seja e solicitamos a quem não desejar ver sua obra republicada pela Câmara que entre em contato pelo e-mail disponibilizado para que nós possamos retirar imediatamente o conteúdo.

Qualquer contato pode ser feito pelo e-mail:

voxmundi80@yahoo.com.br



Henry Evaristo

Clique nos meses para ver nossas publicações.

LICENÇA DE USO DO CONTEÚDO DESTE BLOG

Selos de qualidade recebidos pela CT!

<b>Selos de qualidade recebidos pela CT!</b>
Indicado por Carla Witch Princess do blog WITCHING WORLD e por Tânia Souza do blog DESCAMINHOS SOMBRIOS.

Indicado pelo site GOTHIC DARKNESS

Indicado por Duda Falcão do blog Museu do Terror (www.museudoterror.blogspot.com)


Oferecido por Pedro Moreno do blog CRIPTA DE SANGUE



Indicado por VAMPIRELLA do blog Artes VAMPIRELLA http://vampirella84arts.blogspot.com/




Criado por WITCH PRINCESS; indicado por Tânia Souza do Descaminhos Sombrios.

Blog indicado: MASMORRA DO TERROR


AVISO AOS ESPERTINHOS!

CÓDIGO PENAL - ARTIGOS 184 E 186


Art. 184. Violar direitos de autor e os que lhe são conexos:

Pena – detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, ou multa.

§ 1º Se a violação consistir em reprodução total ou parcial, com intuito de lucro direto ou indireto, por qualquer meio ou processo, de obra intelectual, interpretação, execução ou fonograma, sem autorização expressa do autor, do artista intérprete ou executante, do produtor, conforme o caso, ou de quem os represente:

Pena – reclusão, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa.

§ 2º Na mesma pena do § 1o incorre quem, com o intuito de lucro direto ou indireto, distribui, vende, expõe à venda, aluga, introduz no País, adquire, oculta, tem em depósito, original ou cópia de obra intelectual ou fonograma reproduzido com violação do direito de autor, do direito de artista intérprete ou executante ou do direito do produtor de fonograma, ou, ainda, aluga original ou cópia de obra intelectual ou fonograma, sem a expressa autorização dos titulares dos direitos ou de quem os represente.

§ 3º Se a violação consistir no oferecimento ao público, mediante cabo, fibra ótica, satélite, ondas ou qualquer outro sistema que permita ao usuário realizar a seleção da obra ou produção para recebê-la em um tempo e lugar previamente determinados por quem formula a demanda, com intuito de lucro, direto ou indireto, sem autorização expressa, conforme o caso, do autor, do artista intérprete ou executante, do produtor de fonograma, ou de quem os represente:

Pena – reclusão, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa.

§ 4º O disposto nos §§ 1o, 2o e 3o não se aplica quando se tratar de exceção ou limitação ao direito de autor ou os que lhe são conexos, em conformidade com o previsto na Lei nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998, nem a cópia de obra intelectual ou fonograma, em um só exemplar, para uso privado do copista, sem intuito de lucro direto ou indireto.



Seja um fiel seguidor da Câmara dos Tormentos!

LÊ AGORA!

Matilhas - Henry Evaristo

O Lugar Solitário - Henry Evaristo

A Clareira dos Esquecidos (primeira parte) - Henry Evaristo

O OCASO DE HAES-NORYAN, de Henry Evaristo

EU REÚNO AS FORÇAS DOS ABÍSMOS , de Henry Evaristo

Antologia do Absurdo! Um valhacouto de histórias trêfegas! Adquira o seu!

<b>Antologia do Absurdo! Um valhacouto de histórias trêfegas! Adquira o seu!</b>
Para mais informações, clique na imagem!