ACESSE O BLOG OFICIAL DO LIVRO "UM SALTO NA ESCURIDÃO"


PUBLICAÇÕES MAIS RECENTES

27.9.08

A MULHER DO CARRO PRATEADO

Nosso colaborador Pedro Pazzeli retorna com um conto de ficção-científica no melhor estilo anos 80. Boa leitura!




A MULHER DO CARRO PRATEADO


Por Pedro Pazzeli




Junto com a tempestade que começava a cair naquela tarde, ela chegou. Como uma rajada de vento que vem de surpresa, entrou no barulhento bar-restaurante à beira da estrada BR40, próximo à pequena rodoviária da cidadezinha no interior de Minas Gerais.


Cerca de duas dezenas de motoristas de caminhão, homens rudes que sempre ali almoçavam, congelaram seus gestos e seus olhares em pleno verão. Em seus corações, o sangue passou a correr mais veloz, com o calor do desejo queimando-os por dentro. Os ruídos cessaram. O tempo parou. Nem um talher batendo em um prato. Nem o barulho de uma respiração. Até o garçom, franzino, de bigodinho fino, braços abertos, com a bandeja em uma das mãos e o pano de limpeza em outra, virou um espantalho no meio do milharal. Todos haviam se transformado em estátuas. No ar, apenas aquele perfume mágico e maravilhoso que entrava com ela. Sobre sua pele morena e fresca, um lindo vestido, da cor vermelha quase púrpura, onde seios pequenos porém firmes e impetuosos, pareciam querer romper o fino tecido.


Dirigiu-se lentamente ao balcão sacudindo os cabelos cor da noite. Sua voz sensual e meiga disse uma frase:


-Uma xícara de café, por favor.


Como por encanto, aos poucos, todo o ambiente voltou a pulsar. Ouviu-se de novo o tilintar dos talheres, as vozes reiniciando conversas fúteis, as gargalhadas, o arrastar de mesas e cadeiras e o garçom voltando à vida. Ela pegou o café e se dirigiu a uma mesa vazia balançando os quadris atraentes, colocados sobre pernas perfeitas. Puxou uma cadeira e com a elegância de uma dama, se sentou.


Um vulcão entrou em erupção dentro do peito do rapaz que, sentado na mesa ao lado, esqueceu do refrigerante, armou-se de coragem e gaguejando investiu:


-De...dei...xa... que eu pago seu café.


O rosto delicado da mulher levantou-se lentamente mostrando um olhar doce, castanho e quente como a luz de dois faróis intimidando e cegando aquele jovem com seu brilho, mas aquecendo sua alma.


-Obrigada. Você é muito gentil! – soou o canto daquela ave frágil em meio a tantos cães das estradas - Como você se chama?


O coração dele veio até a boca, antes de responder: - Ricardo... e o seu?


- Marta Valéria. – respondeu aquela boca carnuda, dentes perfeitos e hálito de flores do campo.


- Lindo seu nome, faz jus à dona. O que faz aqui?


- Viajo. Viajo muito, e você? – devolveu.


Ele titubeou e meio sem graça, respondeu:


- Motorista de caminhão. – e antes que ela tivesse tempo de pensar, apressou-se em explicar:


- Mas não sou desses que brigam por qualquer besteira, jogam queda de braço, fumam seus cigarros fedorentos, ficam bêbados e arrumam confusão. Sou muito civilizado. E tentando justificar, completou:


- Só estou nessa vida porque fui mandado embora do meu outro emprego. Sou desenhista. De arquitetura, sabe? E também escrevo.


- Escreve?! – animou-se ela. – O que?


-Crônicas para um jornal de bairro. Como colaborador, sabe? Não pagam nada, mas meu nome tá lá toda semana.-disse tentando não demonstrar seu nervosismo com as mãos.


-Compreendo perfeitamente. – tranqüilizou ela. – Eu também escrevo.


-Escreve também?! O que? – animou-se ele, vendo uma identificação, antes difícil.


-Escrevo poemas.


-Ora, vejam só!. Adoro poesias! – disse ele, mesmo sabendo que mentia. Recite uma das suas para mim.


E ela recitou o mais belo dos poemas exaltando a vida, o amor, o céu e as estrelas. Conversaram por meia hora. Ela era culta e falava sobre tudo com desenvoltura.


-Você está viajando para onde, Marta?


-Vou em direção ao Nordeste.


-Coincidência. Eu também. Sul da Bahia, pra ser mais preciso. Podemos viajar juntos. Eu lhe dou uma carona em meu caminhão, se você não se importar. – ofereceu sorridente.


-Tenho carro.-disse ela apagando o sorriso dele. – Mas, sugiro que rodemos juntos pela estrada.-olharam-se fixamente por um tempo e ela levantou-se: - Já tenho que ir. Você vem?


Ele fez um sinal para o garçom e pagou a conta.


A chuva havia parado. Iam se dirigindo à saída, quando um brutamontes de quase dois metros de altura, parecendo um gorila, cheirando à cerveja, roupas amarrotadas e sujas, interceptou-lhes a saída, rosnando:


-Onde pensa que vai com essa belezoca, rapaz? Deixa um pedacinho pra gente!


Todo o local se transformou em um circo, onde dezenas de bocas gargalhavam estrepitosamente. Ricardo se sentiu um palhaço, e reagiu:


-Sai da nossa frente, imbecil!


A expectativa de uma tragédia congelou novamente o local. Até as moscas sobre o balcão do bar pararam. Centelhas voaram dos olhos dos dois homens. A mão do brutamontes, como uma luva de boxe, atingiu Ricardo, atirando-o porta afora. Seu corpo atravessou a calçada e caiu no meio da rua.


O agressor fez menção de ir acabar o que começara. Marta Valéria impediu o massacre interceptando o valentão, colocando a mão suave no ombro daquele ser meio homem meio animal. Era uma flor sendo colocada sobre uma pedra. O gorila deu um safanão na flor e fitou duramente a mulher. Todo o recinto acompanhava com olhares fixos e rostos boquiabertos como bonecos de cera esperando o fogo derretê-los. Ela reagiu encarando-o com um olhar tão poderoso que a montanha de músculos desmontou no chão e desmaiado lá ficou. O silêncio explodiu em mil gargalhadas. Era o último espetáculo do circo.


A jovem atravessou a porta, seguida pelo garçon e meia dúzia de freqüentadores do local, indo de encontro ao jovem caído em meio a uma poça de chuva. Ele ergueu a cabeça à sua aproximação e antes de olhar para aquele rosto angelical, viu os pés pequenos e inocentes como os de uma criança que corre pelos campos numa tarde de primavera. Levantou-se, pensando em tomar satisfações com seu agressor, mas antes que seu ímpeto se transformasse em ação, ela como que adivinhando, interferiu:


-Lembra do que me disse? ...que não era como os outros? Vamos embora. Meu carro é aquele ali. - apontou. Os que saíram do bar-restaurante aproximaram-se do veículo, curiosos. O carrinho, era uma beleza. Um modelo desconhecido.


-É importado? –perguntou. – Onde o conseguiu? Que beleza de conversível! Isto deve valer uma grana, menina!


-Foi presente de família. É maravilhoso. Me leva onde eu quero e nunca enguiça.


-Nossa, é um carro do outro mundo! Estou ansioso para rodarmos juntos. Serei seu segurança. – brincou Ricardo. - Ali está meu caminhão com uma carga de madeira.


Ela olhou o caminhão Scania e disse:


-Por certo nos separaremos em algum ponto da estrada. Quero dizer que foi muito bom conhecê-lo. Meus pais adorariam você. Vivem procurando um partido para mim.


O coração do rapaz deu pulos de alegria, ainda mais quando ela deu um rápido e delicado beijo nos lábios dele. A turma que estava à volta, aplaudiu, deixando-os envergonhados.
-Posso lhe telefonar?


-Não tenho telefone. – respondeu ela.


-E se eu lhe deixar o número do meu celular, você me liga? - ele insistiu entregando-a um cartão.
-Talvez. – disse sorrindo. - Vamos?


O carrinho, que ia na frente, era uma veloz libélula, leve e suave, destacando seu prateado sobre o cinza das estradas e o verde das encostas. O caminhão, logo atrás, era um dragão pesado com sua boca rugindo, cuspindo fumaça e arrotando cheiro de óleo diesel queimado. Os ventos açoitavam os cabelos da mulher fazendo com que Ricardo pensasse como eles deveriam ser espalhados sobre a cama dele.


A chuva recomeçou, a princípio fraca, depois ameaçadora. O nevoeiro surgiu. Raios riscaram o céu e trovoadas amedrontaram. O carrinho de prata fechou a capota e o caminhão ligou o limpador de pára–brisa. A chuva aumentava e o rapaz sentia a necessidade de diminuir a velocidade, enquanto o carrinho atingia velocidades cada vez maiores. O Scania cantava pneus nas curvas, tentando acompanhar o carro daquela mulher misteriosa. Rangiam os freios. Era impossível acompanhá-la. Ricardo buzinou tentando chamar a atenção da motorista para a próxima curva perigosa que era em “V”. Na velocidade em que iam, certamente perderiam o controle dos veículos, atravessariam a pista e se projetariam no abismo. Ele sentiu medo e conseguiu frear a tempo de parar no acostamento, antes da curva. Alarmado, viu a bólide reluzente cruzar a pista, se projetar no vazio, mas logo em seguida, abrir duas asas de metal e alçar vôo por sobre o abismo. Subia cada vez mais, as suas lanternas traseiras piscavam e sua buzina tocava numa saudação de adeus. Atrás do carro, uma esteira de luz saía como se ele tivesse propulsão a jato. Em meio à tempestade, a noite foi caindo enquanto aquele ponto prateado ia diminuído lentamente entre as nuvens carregadas. O rapaz tinha na mente um turbilhão de dúvidas: “Será que ela iria realmente procurá-lo?” “Seria Marta Valéria seu verdadeiro nome?” De tudo, sobrava apenas uma certeza: Aquele era mesmo um carro do outro mundo.


Engrenou a marcha e pôs novamente o caminhão em direção ao Nordeste.

Nenhum comentário:

LÊ AGORA!

A Rainha dos Pantanos - Henry Evaristo

Virgílio - Henry Evaristo

UM SALTO NA ESCURIDÃO - Henry Evaristo publica seu primeiro livro

O CELEIRO, de Henry Evaristo

Índices gerais

COMUNICADO

Este blog possui textos e imagens retirados de outros sites. No entanto, não temos intenção de nos apropriar de material autoral de quem quer que seja e solicitamos a quem não desejar ver sua obra republicada pela Câmara que entre em contato pelo e-mail disponibilizado para que nós possamos retirar imediatamente o conteúdo.

Qualquer contato pode ser feito pelo e-mail:

voxmundi80@yahoo.com.br



Henry Evaristo

Clique nos meses para ver nossas publicações.

LICENÇA DE USO DO CONTEÚDO DESTE BLOG

Selos de qualidade recebidos pela CT!

<b>Selos de qualidade recebidos pela CT!</b>
Indicado por Carla Witch Princess do blog WITCHING WORLD e por Tânia Souza do blog DESCAMINHOS SOMBRIOS.

Indicado pelo site GOTHIC DARKNESS

Indicado por Duda Falcão do blog Museu do Terror (www.museudoterror.blogspot.com)


Oferecido por Pedro Moreno do blog CRIPTA DE SANGUE



Indicado por VAMPIRELLA do blog Artes VAMPIRELLA http://vampirella84arts.blogspot.com/




Criado por WITCH PRINCESS; indicado por Tânia Souza do Descaminhos Sombrios.

Blog indicado: MASMORRA DO TERROR


AVISO AOS ESPERTINHOS!

CÓDIGO PENAL - ARTIGOS 184 E 186


Art. 184. Violar direitos de autor e os que lhe são conexos:

Pena – detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, ou multa.

§ 1º Se a violação consistir em reprodução total ou parcial, com intuito de lucro direto ou indireto, por qualquer meio ou processo, de obra intelectual, interpretação, execução ou fonograma, sem autorização expressa do autor, do artista intérprete ou executante, do produtor, conforme o caso, ou de quem os represente:

Pena – reclusão, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa.

§ 2º Na mesma pena do § 1o incorre quem, com o intuito de lucro direto ou indireto, distribui, vende, expõe à venda, aluga, introduz no País, adquire, oculta, tem em depósito, original ou cópia de obra intelectual ou fonograma reproduzido com violação do direito de autor, do direito de artista intérprete ou executante ou do direito do produtor de fonograma, ou, ainda, aluga original ou cópia de obra intelectual ou fonograma, sem a expressa autorização dos titulares dos direitos ou de quem os represente.

§ 3º Se a violação consistir no oferecimento ao público, mediante cabo, fibra ótica, satélite, ondas ou qualquer outro sistema que permita ao usuário realizar a seleção da obra ou produção para recebê-la em um tempo e lugar previamente determinados por quem formula a demanda, com intuito de lucro, direto ou indireto, sem autorização expressa, conforme o caso, do autor, do artista intérprete ou executante, do produtor de fonograma, ou de quem os represente:

Pena – reclusão, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa.

§ 4º O disposto nos §§ 1o, 2o e 3o não se aplica quando se tratar de exceção ou limitação ao direito de autor ou os que lhe são conexos, em conformidade com o previsto na Lei nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998, nem a cópia de obra intelectual ou fonograma, em um só exemplar, para uso privado do copista, sem intuito de lucro direto ou indireto.



Seja um fiel seguidor da Câmara dos Tormentos!

LÊ AGORA!

Matilhas - Henry Evaristo

O Lugar Solitário - Henry Evaristo

A Clareira dos Esquecidos (primeira parte) - Henry Evaristo

O OCASO DE HAES-NORYAN, de Henry Evaristo

EU REÚNO AS FORÇAS DOS ABÍSMOS , de Henry Evaristo

Antologia do Absurdo! Um valhacouto de histórias trêfegas! Adquira o seu!

<b>Antologia do Absurdo! Um valhacouto de histórias trêfegas! Adquira o seu!</b>
Para mais informações, clique na imagem!