ACESSE O BLOG OFICIAL DO LIVRO "UM SALTO NA ESCURIDÃO"


PUBLICAÇÕES MAIS RECENTES

26.11.09

VAGANDO PELOS CAMPOS DEVASTADOS - Paulo Soriano

Paulo Soriano retorna à Câmara com mais um conto cruel e poderoso. Boa leitura!



VAGANDO PELOS CAMPOS DEVASTADOS


Paulo Soriano

Vagar pelos campos devastados pela fome, esmolando aqui e furtando acolá, é tudo o que me resta. Houve um tempo em que me eram bem-vindas a sedução e a beleza quase asfixiantes dos vales lindeiros ao Minho. Hoje, já não me comovem os meandros do belo rio. Como sempre, ele cumpre, pachorrentamente, a sua sina, quase silencioso e sempre muito mais traiçoeiro que profundo. Mas ainda me banho em suas borbulhas e afogo a minha sede na frescura de suas águas.

Há uma senda que serpenteia da cidade de Ourense à vila dos Coutos, margeando o rio como se fora uma sombra sórdida. Nestes tempos de muita fome, a vereda é quase deserta; mesmo assim, é caminho obrigatório para os que finalmente capitulam e abandonam os campos mirrados, escoando como regatos em busca do mar e das caravelas do Novo Mundo. É em sendas como esta que os vagabundos de minha espécie, que sobreviveram à peste e ao abandono, perambulam, lançando mão da sagacidade ou da lascívia para colher migalhas dos emigrantes.

Antes de morrer, vergada à fúria da peste, que vitimara meu pai e meus irmãos, minha mãe me dissera:

- Não passas de uma garota. Protege-te bem. Bem difíceis emergem os tempos que virão. És livre para esmolar e furtar. Mas não mates. E nem faças de teu corpo serventia de mancebos obscenos. Que em tua bolsa não tilinte moeda de fornicação. Toma em tua mão o que te servirá de escudo. Não deixa de ser uma espécie de amuleto eficaz. E, se procederes conforme minhas instruções, estarás de todo e para sempre protegida em tua honra.

Eu escondera as minhas roupas sob o peso duns pequenos seixos, removidos dentre as raízes de um velho álamo, quase à margem da vereda. Mas, ao retornar, depois de um demorado mergulho, notei que minhas vestes haviam desaparecido. Quem as furtara - soube pouco depois - fora um rapazote quase imberbe - feio e maltrapilho-, mas armado de adaga. Ele agora admirava, com enorme curiosidade e maior ainda excitação, o meu formoso corpo, completamente molhado e nu.

- Dá-me de volta as minhas roupas! – gritei.

O rapaz fez pouco caso de mim. Sorria-me como um néscio, mas havia volúpia em seus olhos de raposa.

- Dá-me logo de volta! – insisti, exasperada, agachando-me e escondendo os seios com os braços dispostos em cruz de Santo André.

- Sim! – disse-me o rapaz. - Dou-te sim. Mas, tudo tem um preço... Quero-te. Abre-me as pernas.

O rapaz sorriu uma fileira de dentes brancos e irregulares, resfolegando de lascívia.

- Tira logo a tua roupa, rapaz – disse-lhe finalmente, estirando-me de costas na grama e abrindo bem as pernas. Naquele momento, não houve como impedir o assédio angustiante da imagem de minha mãe moribunda.

O jovem avançou sobre mim, pondo abaixo os calções com a ansiedade de um lunático, e prestes a ejacular. Penetrou-me como um raio e, imediatamente, estremeceu. Quando, arquejante, abriu os olhos, consultando feliz o instrumento de seu sucesso, viu que todo o púbis estava encharcado de sangue. Perguntou-me, então:

- Estás naqueles dias?

- Não, não estou.

- Então, donde vem tanto sangue?

- De tuas veias, evidentemente.

Quando o jovem verificou que tinha o pênis mutilado, urrou como um animal ensandecido. Cessada a excitação, somente agora experimentava a dimensão da dor dilacerante.

- O que tu fizeste comigo? – gritou o jovem imberbe. – Que fizeste comigo, ó puta dos demônios?!

Não respondi, deixando o rapaz embeber-se de sangue e pânico. Nas águas do Minho, limpei cuidadosamente o fragmento de lâmina de navalha, antes de acomodá-lo, novamente, na abertura de minha vagina.

Vagar pelos campos devastados pela fome, esmolando aqui e furtando acolá, é tudo o que me resta. Além da honra imaculada de senhorinha casta...

2 comentários:

Mary Susie disse...

Um conto afiado e sangrento, breve e intenso... Grotesco.

victor meloni disse...

Outro insofismável mestre da Litfan contemporânea! Soriano copnduz a pena com a maestria dos gigantes! Conto que rutila no terror intenso!

LÊ AGORA!

A Rainha dos Pantanos - Henry Evaristo

Virgílio - Henry Evaristo

UM SALTO NA ESCURIDÃO - Henry Evaristo publica seu primeiro livro

O CELEIRO, de Henry Evaristo

Índices gerais

COMUNICADO

Este blog possui textos e imagens retirados de outros sites. No entanto, não temos intenção de nos apropriar de material autoral de quem quer que seja e solicitamos a quem não desejar ver sua obra republicada pela Câmara que entre em contato pelo e-mail disponibilizado para que nós possamos retirar imediatamente o conteúdo.

Qualquer contato pode ser feito pelo e-mail:

voxmundi80@yahoo.com.br



Henry Evaristo

Clique nos meses para ver nossas publicações.

LICENÇA DE USO DO CONTEÚDO DESTE BLOG

Selos de qualidade recebidos pela CT!

<b>Selos de qualidade recebidos pela CT!</b>
Indicado por Carla Witch Princess do blog WITCHING WORLD e por Tânia Souza do blog DESCAMINHOS SOMBRIOS.

Indicado pelo site GOTHIC DARKNESS

Indicado por Duda Falcão do blog Museu do Terror (www.museudoterror.blogspot.com)


Oferecido por Pedro Moreno do blog CRIPTA DE SANGUE



Indicado por VAMPIRELLA do blog Artes VAMPIRELLA http://vampirella84arts.blogspot.com/




Criado por WITCH PRINCESS; indicado por Tânia Souza do Descaminhos Sombrios.

Blog indicado: MASMORRA DO TERROR


AVISO AOS ESPERTINHOS!

CÓDIGO PENAL - ARTIGOS 184 E 186


Art. 184. Violar direitos de autor e os que lhe são conexos:

Pena – detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, ou multa.

§ 1º Se a violação consistir em reprodução total ou parcial, com intuito de lucro direto ou indireto, por qualquer meio ou processo, de obra intelectual, interpretação, execução ou fonograma, sem autorização expressa do autor, do artista intérprete ou executante, do produtor, conforme o caso, ou de quem os represente:

Pena – reclusão, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa.

§ 2º Na mesma pena do § 1o incorre quem, com o intuito de lucro direto ou indireto, distribui, vende, expõe à venda, aluga, introduz no País, adquire, oculta, tem em depósito, original ou cópia de obra intelectual ou fonograma reproduzido com violação do direito de autor, do direito de artista intérprete ou executante ou do direito do produtor de fonograma, ou, ainda, aluga original ou cópia de obra intelectual ou fonograma, sem a expressa autorização dos titulares dos direitos ou de quem os represente.

§ 3º Se a violação consistir no oferecimento ao público, mediante cabo, fibra ótica, satélite, ondas ou qualquer outro sistema que permita ao usuário realizar a seleção da obra ou produção para recebê-la em um tempo e lugar previamente determinados por quem formula a demanda, com intuito de lucro, direto ou indireto, sem autorização expressa, conforme o caso, do autor, do artista intérprete ou executante, do produtor de fonograma, ou de quem os represente:

Pena – reclusão, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa.

§ 4º O disposto nos §§ 1o, 2o e 3o não se aplica quando se tratar de exceção ou limitação ao direito de autor ou os que lhe são conexos, em conformidade com o previsto na Lei nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998, nem a cópia de obra intelectual ou fonograma, em um só exemplar, para uso privado do copista, sem intuito de lucro direto ou indireto.



Seja um fiel seguidor da Câmara dos Tormentos!

LÊ AGORA!

Matilhas - Henry Evaristo

O Lugar Solitário - Henry Evaristo

A Clareira dos Esquecidos (primeira parte) - Henry Evaristo

O OCASO DE HAES-NORYAN, de Henry Evaristo

EU REÚNO AS FORÇAS DOS ABÍSMOS , de Henry Evaristo

Antologia do Absurdo! Um valhacouto de histórias trêfegas! Adquira o seu!

<b>Antologia do Absurdo! Um valhacouto de histórias trêfegas! Adquira o seu!</b>
Para mais informações, clique na imagem!