ACESSE O BLOG OFICIAL DO LIVRO "UM SALTO NA ESCURIDÃO"


PUBLICAÇÕES MAIS RECENTES

9.8.08

CONVERSA EM NOITE DE LUA CHEIA

O escritor José Augusto de Oliveira, de Fortaleza, vem colaborar com a Câmara com um conto que nos remete aos melhores momentos da lieratura nacional, no entanto, sem contar com o marasmo no qual costumam estar construidas estas narrativas. Ao contrário, o autor constrói um texto ágil que possui muito de literatura universal. E o que é melhor: Assusta mesmo o leitor! Boa leitura!







CONVERSA EM NOITE DE LUA CHEIA
José Augusto de Oliveira




- Eu morava com meus dois fi... Num tinha marido. Era muié da vida. Naquele dia, num tinha nada em casa pra botá no fogo... Então aresolvi ir pra bêra do mar, esperá os pescadô. Pegá os resto de isca com eles...

Maria era uma negra velha, de ancas salientes, que ainda guardava no rosto, embora sofrido, marcas de uma beleza selvagem, africana. Neta de escravos, dentes alvos, brilhantes, tinha caído na vida, se prostituído por necessidade. Hoje, com os dois filhos já casados, mantinha-se como doméstica, na casa dos meus pais.

Naquela noite de sexta-feira, rodeada pela gente, eu e mais três irmãos, nos contava uma de suas reminiscências...

- Eu peguei uma bolsa de paia, botei debaxo do braço e mais ou meno às duas hora da tarde, me larguei pra praia. Era distante, um areial danado. Ao passar pela bodega do Juvená, ele me alertou:

- Nega véia, vai pra onde?

- Eu dixe, vou pra praia, pegá uns resto de isca...

- Tá sabeno que hoje é sexta-feira, noite de lua cheia?

Eu sabia sim, e arespondi pra ele:

- Juvená, eu tenho o corpo fechado, nada me faz má, e segui viagem.

- Cheguei no mar, era quase 5 horas da tarde. Deu 6, 7 horas e nada das jangada incostá... Quano viero incostá já era quase 8 horas, e a lua cheia já istava na metade do céu...

- Eu dixe comigo, é hoje...

- Fui nas jangada, catei as isca, inchi a bolsa, botei no ombro e marchei em rumo de casa...

Eu tinha 14 anos, era o mais velho dos meus irmãos. Já meio assustado, perguntei a Maria:

- Maria, por que você não dormiu na praia?

Ela deu um muchocho e respondeu rindo:

- Menino, e os meu fi? Eles istavam sem comê... Eu tinha que vortá pra casa... Eles istavam esperano por mim...

- Como eu tava dizeno, recomeçou ela, meti o pé na estrada, com passo apressado. Berei a bêra da praia por um bom tempo e adispois quebrei por dentro de um coqueiral, cortano caminho. Quando cheguei no fim do coqueiral, tinha uma faixa de areia branca, sorta, até chegá num pé de manguêra copado.... Mudei a bolsa de ombro e avancei no areial, quano de repente eu ouvi um som esquisito, como gente chorano, aquele choro preso... Cadê a coragem de olhar pra trás? Apressei o passo e o choro continuano, parecia qui tava na mesma distância de eu... Comecei a rezar o crendeus-pai de trás pra frente e apressei mais o passo. Eu já num tinha mais dúvida, era um lubisome... Quando fui chegano perto da manguêra, infiei meu braço nas azêias da bolsa, botei ela debaxo do suvaco e subi na manguêra... Só deu tempo de eu alcançá uma das forquia dá manguêra... O bicho riscou, dando um urro de cachorro doido. Oiei pra baxo, duas tochas de fogo asubia e adescia na minha direção. Era o bicho pulano, quereno me arcançá... Comecei a rezá pra São Supriano, amarrano o bicho, dano uma ruma de nó na ponta da minha saia... E o bicho danado, iscavacano e pulano ao redor da manguêra. Comecei a jogá isca de pêxe pra ele. No começo ele assossegou, comeu algumas, mas depois vortô a mi querê. Ele quiria me comê... A lua cheia, quano iscapava das nuvens, alumiava o bicho... Era grande, peludo, negro, e ficava em pé qui nem ome... Ele num asubia na manguêra pruque tinha os pé de bode... Eu já tinha jogado metade da bolsa de isca pra ele, quano o galo cantô. O lubisome parou de repente de choramingá e de iscavacar. Oiei pra baixo... Os óio de fogo dele istavam oiano pra mim. Ele foi se afastano, andano de costa, sempre oiano pra eu. Adispois se virou e saiu correno e sumiu-se no coqueiral...
Só desci da manguêra quano raiou o sol. Eu inda istava a uma meia légua de distança de casa...
Nunca mais fui pegar isca de pêxe na praia em noite de sexta-feira.

Um silêncio pesado se fez no meio da gente. Sentados no alpendre da casa, todos juntinhos um do outro, o caçula, de 10 anos, perguntou:

- Maria, o pé de mangueira que você estava trepada era igual a esse aqui?

- Era, mas só que maior, respondeu ela se levantando...

Um vento frio varreu a gente. Entramos todos em casa, agarrados na saia da Maria. Fomos deitar no quarto com o papai e a mamãe. Ninguém dormiu naquela noite.



(Lobisomem também conhecido como Lobishomem, Licantropo, Quibungo, Capelobo, Kumacanga (Pará), Curacanga (Maranhão), Hatu Runa (Equador), El Chupasangre (Colômbia). Mito universal. Em Roma antiga era mencionado pelo historiador Plínio. Além de lobo na Europa, ele pode se transformar em jumento, bode ou cabrito montês. Diz a lenda que quando um mulher tem 7 filhas e o oitavo filho é homem, esse menino será lobisomem. Também o será o filho da mulher amancebada com um padre. Quando o menino completa 13 anos, a maldição começa. Fonte: sitededicas.uol.com.br )

Nenhum comentário:

LÊ AGORA!

A Rainha dos Pantanos - Henry Evaristo

Virgílio - Henry Evaristo

UM SALTO NA ESCURIDÃO - Henry Evaristo publica seu primeiro livro

O CELEIRO, de Henry Evaristo

Índices gerais

COMUNICADO

Este blog possui textos e imagens retirados de outros sites. No entanto, não temos intenção de nos apropriar de material autoral de quem quer que seja e solicitamos a quem não desejar ver sua obra republicada pela Câmara que entre em contato pelo e-mail disponibilizado para que nós possamos retirar imediatamente o conteúdo.

Qualquer contato pode ser feito pelo e-mail:

voxmundi80@yahoo.com.br



Henry Evaristo

Clique nos meses para ver nossas publicações.

LICENÇA DE USO DO CONTEÚDO DESTE BLOG

Selos de qualidade recebidos pela CT!

<b>Selos de qualidade recebidos pela CT!</b>
Indicado por Carla Witch Princess do blog WITCHING WORLD e por Tânia Souza do blog DESCAMINHOS SOMBRIOS.

Indicado pelo site GOTHIC DARKNESS

Indicado por Duda Falcão do blog Museu do Terror (www.museudoterror.blogspot.com)


Oferecido por Pedro Moreno do blog CRIPTA DE SANGUE



Indicado por VAMPIRELLA do blog Artes VAMPIRELLA http://vampirella84arts.blogspot.com/




Criado por WITCH PRINCESS; indicado por Tânia Souza do Descaminhos Sombrios.

Blog indicado: MASMORRA DO TERROR


AVISO AOS ESPERTINHOS!

CÓDIGO PENAL - ARTIGOS 184 E 186


Art. 184. Violar direitos de autor e os que lhe são conexos:

Pena – detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, ou multa.

§ 1º Se a violação consistir em reprodução total ou parcial, com intuito de lucro direto ou indireto, por qualquer meio ou processo, de obra intelectual, interpretação, execução ou fonograma, sem autorização expressa do autor, do artista intérprete ou executante, do produtor, conforme o caso, ou de quem os represente:

Pena – reclusão, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa.

§ 2º Na mesma pena do § 1o incorre quem, com o intuito de lucro direto ou indireto, distribui, vende, expõe à venda, aluga, introduz no País, adquire, oculta, tem em depósito, original ou cópia de obra intelectual ou fonograma reproduzido com violação do direito de autor, do direito de artista intérprete ou executante ou do direito do produtor de fonograma, ou, ainda, aluga original ou cópia de obra intelectual ou fonograma, sem a expressa autorização dos titulares dos direitos ou de quem os represente.

§ 3º Se a violação consistir no oferecimento ao público, mediante cabo, fibra ótica, satélite, ondas ou qualquer outro sistema que permita ao usuário realizar a seleção da obra ou produção para recebê-la em um tempo e lugar previamente determinados por quem formula a demanda, com intuito de lucro, direto ou indireto, sem autorização expressa, conforme o caso, do autor, do artista intérprete ou executante, do produtor de fonograma, ou de quem os represente:

Pena – reclusão, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa.

§ 4º O disposto nos §§ 1o, 2o e 3o não se aplica quando se tratar de exceção ou limitação ao direito de autor ou os que lhe são conexos, em conformidade com o previsto na Lei nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998, nem a cópia de obra intelectual ou fonograma, em um só exemplar, para uso privado do copista, sem intuito de lucro direto ou indireto.



Seja um fiel seguidor da Câmara dos Tormentos!

LÊ AGORA!

Matilhas - Henry Evaristo

O Lugar Solitário - Henry Evaristo

A Clareira dos Esquecidos (primeira parte) - Henry Evaristo

O OCASO DE HAES-NORYAN, de Henry Evaristo

EU REÚNO AS FORÇAS DOS ABÍSMOS , de Henry Evaristo

Antologia do Absurdo! Um valhacouto de histórias trêfegas! Adquira o seu!

<b>Antologia do Absurdo! Um valhacouto de histórias trêfegas! Adquira o seu!</b>
Para mais informações, clique na imagem!