ACESSE O BLOG OFICIAL DO LIVRO "UM SALTO NA ESCURIDÃO"


PUBLICAÇÕES MAIS RECENTES

10.7.07

PARA ONDE FORAM TODOS


A Câmara dos Tormentos orgulhosamente apresenta a estréia do grande escritor goiano Jurandir Araguaia como nosso colaborador; além de um grande amigo e apreciador das sombras, um soberbo escritor com uma sensibilidade toda especial para o insólito que se insinua no cotidiano. Aqui, brindamos nossos leitores com uma obra fantástica de ficção-científica; um texto apocalíptico que leva à uma reflexão sombria sobre o futuro. Boa leitura!



Para Onde Foram Todos?


Jurandir Araguaia



Despertei sentindo-me estranho esta manhã. Sentia-me leve, forte, bem-disposto, com uma energia que trazia de volta os bons tempos de minha juventude. A escuridão do quarto, propositalmente forçada pela densidade de nossas negras cortinas, mascarava, como sempre, a real cor do dia.

Sabia que era dia, tal o meu estado de disposição. No entanto, por que o meu cachorro não me acordou ao latir, como sempre faz, mesmo que seja domingo?

- Querida, querida. Tentei acordar minha esposa ao lado na cama, mas somente toquei em seus travesseiros e lençóis. Acordou ela sem me chamar? E as crianças, e a escola? O despertador falhara? Olhei para a tela do aparelho, sobre a cabeceira de minha cama, e o visor estava apagado.

- Queda de energia. Que novidade! Mas os ruídos da casa, a correria das crianças antes de sair para a escola. O barulho dos talheres no café da manhã. Teriam resolvido poupar-me e deixar a dormir? Urgia que me apressasse para correr ao trabalho. Fui ao interruptor acender a luz. Sem energia. Fiquei irritado com meu esquecimento. Procurei as cortinas e abri-as. O dia amanhecera estranhamente nublado, com uma luz difusa denunciando as primeiras horas da manhã. Abri a janela do sobrado. Silêncio total. Nem o ruído dos carros, as vozes distantes das pessoas, o canto dos pássaros, o silvo do vento, o latir do Toby.

- Toby! Toby! Chamei-o à janela, o que sempre respondia correndo e pulando. Onde estará o Toby?

Calcei os chinelos. Vesti o roupão. Saí pela casa. Fui ao quarto das crianças. Vazio. Camas desarrumadas.

- Como a Kely permitiu que saíssem sem arrumar as camas? Estariam tão atrasadas assim? Voltei ao meu quarto e na gaveta do armário busquei meu relógio. Ele apontava três horas e quinze minutos. Os ponteiros parados.

- Eu não acredito. Um relógio caro, e da melhor marca, parou no meio da madrugada? Teria comprado gato por lebre? Não, eu sabia reconhecer uma peça legítima adquirida em uma das melhores lojas da cidade. Desci ao térreo e me dirigi para o relógio da cozinha. Igualmente parado. Os ponteiros marcavam três e quinze.

- O que está acontecendo? Abri a porta da cozinha. Toby! Toby! Nenhuma resposta. Onde estará Kely? Levou as crianças para a escola? Teria voltado e saiu para caminhar com Toby? Isso. Estou me afligindo sem motivo aparente.

Voltei ao quarto e procurei o celular. Não ligava. Impossível. A bateria estava com a carga completa. Tenho certeza disso. Pequei o telefone fixo. Sem sinal de linha. Tentei de novo. Apertei nervosamente a tecla de repouso. Nada. Nada. Nada. A Tv era impossível, visto que a energia ainda não voltara. Vesti qualquer roupa e saí para a porta. O carro de Kely na garagem. Apoiei minhas mãos sobre o capô. O motor estava frio. Ela não saíra. Mas e as crianças? Pelas grades do portão percebi que não havia ninguém nas ruas. Nenhum pedestre ou carro. Nenhum som vindo das janelas dos prédios em volta. Os outros sobrados estavam mudos, silenciosos. O rádio do carro! Corri e peguei as chaves. Entrei no veículo. A bateria não dava qualquer sinal. Tentei ligar o rádio. Sem resposta.

Abri o capô. Todos os cabos conectados. A bateria parecia boa. Tentei nova partida e nada. Corri para pegar a chave do carro da Kely. Aconteceu o mesmo. Bati nervosamente minhas mãos sobre o volante. Parei para pensar.

Voltei e tentei novamente com o celular, com o telefone. Nada. Somente então percebi que o celular de Kely estava em casa e sua bolsa com os documentos. Ela não saíra. Desci para o quintal. A coleira de Toby no mesmo lugar. Ela não levara o cachorro ao passeio. Saí para a rua. Ninguém. Não havia viva alma. Nenhum trânsito.

Desci correndo para a Alameda principal. Ali sempre havia alguém. Seria impossível não haver nada. Testemunhei o impossível: tudo fechado. Uma estranha bruma cobria o sol; às vezes permitindo que um tímido raio quisesse se manifestar. O canal da alameda deserto. Ninguém fazendo caminhada - o que seria normal naquele horário e em qualquer dia que fosse. O comércio esqueceu-se de abrir. As ruas sem pessoas ou veículos.

Sentei em um banco próximo. Belisquei-me. Eu devo estar dormindo. É um pesadelo, um enorme pesadelo. Levantei-me e gritei por alguém. O som da minha voz ecoou por todos os cantos. Girei e olhei em volta. O silêncio petrificava-me. Foi a primeira vez que senti um medo real. Caminhei por longas horas. Vencido e desanimado. Percebi que não sentia fome ou sede ou frio. Estaria vivo? Teria todo mundo morrido ou apenas eu? Que força aquela que de um jato arrebatou todas as almas ou apenas a minha para outro universo? Ficara eu congelado em algum lapso de tempo? Perdido estaria eu para sempre entre o transcorrer de um milésimo de segundo? Em busca de respostas levantei-me e continuei a caminhar pela alameda extensa em busca de outra voz, de outra vida...

Nenhum comentário:

LÊ AGORA!

A Rainha dos Pantanos - Henry Evaristo

Virgílio - Henry Evaristo

UM SALTO NA ESCURIDÃO - Henry Evaristo publica seu primeiro livro

O CELEIRO, de Henry Evaristo

Índices gerais

COMUNICADO

Este blog possui textos e imagens retirados de outros sites. No entanto, não temos intenção de nos apropriar de material autoral de quem quer que seja e solicitamos a quem não desejar ver sua obra republicada pela Câmara que entre em contato pelo e-mail disponibilizado para que nós possamos retirar imediatamente o conteúdo.

Qualquer contato pode ser feito pelo e-mail:

voxmundi80@yahoo.com.br



Henry Evaristo

Clique nos meses para ver nossas publicações.

LICENÇA DE USO DO CONTEÚDO DESTE BLOG

Selos de qualidade recebidos pela CT!

<b>Selos de qualidade recebidos pela CT!</b>
Indicado por Carla Witch Princess do blog WITCHING WORLD e por Tânia Souza do blog DESCAMINHOS SOMBRIOS.

Indicado pelo site GOTHIC DARKNESS

Indicado por Duda Falcão do blog Museu do Terror (www.museudoterror.blogspot.com)


Oferecido por Pedro Moreno do blog CRIPTA DE SANGUE



Indicado por VAMPIRELLA do blog Artes VAMPIRELLA http://vampirella84arts.blogspot.com/




Criado por WITCH PRINCESS; indicado por Tânia Souza do Descaminhos Sombrios.

Blog indicado: MASMORRA DO TERROR


AVISO AOS ESPERTINHOS!

CÓDIGO PENAL - ARTIGOS 184 E 186


Art. 184. Violar direitos de autor e os que lhe são conexos:

Pena – detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, ou multa.

§ 1º Se a violação consistir em reprodução total ou parcial, com intuito de lucro direto ou indireto, por qualquer meio ou processo, de obra intelectual, interpretação, execução ou fonograma, sem autorização expressa do autor, do artista intérprete ou executante, do produtor, conforme o caso, ou de quem os represente:

Pena – reclusão, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa.

§ 2º Na mesma pena do § 1o incorre quem, com o intuito de lucro direto ou indireto, distribui, vende, expõe à venda, aluga, introduz no País, adquire, oculta, tem em depósito, original ou cópia de obra intelectual ou fonograma reproduzido com violação do direito de autor, do direito de artista intérprete ou executante ou do direito do produtor de fonograma, ou, ainda, aluga original ou cópia de obra intelectual ou fonograma, sem a expressa autorização dos titulares dos direitos ou de quem os represente.

§ 3º Se a violação consistir no oferecimento ao público, mediante cabo, fibra ótica, satélite, ondas ou qualquer outro sistema que permita ao usuário realizar a seleção da obra ou produção para recebê-la em um tempo e lugar previamente determinados por quem formula a demanda, com intuito de lucro, direto ou indireto, sem autorização expressa, conforme o caso, do autor, do artista intérprete ou executante, do produtor de fonograma, ou de quem os represente:

Pena – reclusão, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa.

§ 4º O disposto nos §§ 1o, 2o e 3o não se aplica quando se tratar de exceção ou limitação ao direito de autor ou os que lhe são conexos, em conformidade com o previsto na Lei nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998, nem a cópia de obra intelectual ou fonograma, em um só exemplar, para uso privado do copista, sem intuito de lucro direto ou indireto.



Seja um fiel seguidor da Câmara dos Tormentos!

LÊ AGORA!

Matilhas - Henry Evaristo

O Lugar Solitário - Henry Evaristo

A Clareira dos Esquecidos (primeira parte) - Henry Evaristo

O OCASO DE HAES-NORYAN, de Henry Evaristo

EU REÚNO AS FORÇAS DOS ABÍSMOS , de Henry Evaristo

Antologia do Absurdo! Um valhacouto de histórias trêfegas! Adquira o seu!

<b>Antologia do Absurdo! Um valhacouto de histórias trêfegas! Adquira o seu!</b>
Para mais informações, clique na imagem!