ACESSE O BLOG OFICIAL DO LIVRO "UM SALTO NA ESCURIDÃO"


PUBLICAÇÕES MAIS RECENTES

2.5.09

A CLAREIRA DOS ESQUECIDOS - Terceira parte


A CLAREIRA DOS ESQUECIDOS
Terceira parte

Henry Evaristo


Primeiro senti náuseas, depois um formigamento que percorria todo meu corpo. Só então veio o cheiro, o terrível cheiro que me pôs de pé novamente!

Era como o odor de animais mortos, largados em alguma ravina, meio imersos em poças de sangue coagulado. Nada menos que isso poderia descrever o horror que penetrava por minhas narinas.

Quando sentei-me na cama, completamente atordoado, não via nada diante de mim além de minha própria agonia. Só o correr do tempo me fez capaz, novamente, de discernir o ambiente ao meu redor. A escuridão não se fora e, lá fora, as trevas da noite grassavam ainda mais. Tudo era silencio e imobilidade. Mas havia algo no quarto que se movia. Uma sombra retilínea, como a de um homem muito alto que, como um lagarto, se esgueirasse verticalmente pelas paredes.

Fiquei apenas sentado, olhos fixos na aparição, em meio ao cheiro de morte asquerosa; e ela guiou meu olhar movendo-se de cima para baixo até alcançar o alto do guarda-roupa. Ali, desgrudou-se da superfície áspera em que estava e pousou, ta qual um pássaro agourento, sobre o móvel. Havia então outra criatura ao seu lado. E ainda outras pousadas no chão! Como estranhas e monstruosas feras aladas, elas pareciam confabular, e soltavam piados horrendos quando queriam se fazer entender. Às vezes olhavam para mim, com seus olhos terríveis, e eu podia entender que algo malévolo motejava em suas entonações.

Jamais me tocaram, aqueles primeiros que surgiram, ou mesmo se dirigiram a mim diretamente. Eram como predadores inteligentes que analisavam a presa e todas as suas possibilidades. Olhavam para mim, para a cama e depois para todos os lados. Em meio à escuridão, pude ver que se vestiam com roupas escuras, estranhas; feitas com algum tecido que me era desconhecido. Não eram todos altos como o que viera pelas parededes e, dentre os cinco ou seis que por meu quarto passaram naquela noite, pude notar que alguns eram de estatura igual ou inferior à minha.

Aos poucos eles iam se reunindo em meio às sombras de um canto do guarda-roupa, como ratos agrupados num nicho de esgoto. Seus grunhidos eram agudos e mórbidos, como os de alguns tipos de coruja. Seus olhos, arredondados e amarelados, como os de algumas aves.

De repente, todos de uma vez se voltaram para a porta do quarto. Dali vinha algo. E, em meio ao meu horror extremo, vi ceder a entrada sob terrível força descomunal. Vindo abaixo a peça de madeira, irrompeu um ser dos mais terríveis pesadelos. Algo ave, algo homem, algo morcego. Uma fera saltada das mais profundas fendas do inferno. E o cheiro maldito que a tudo infestava, era dele que emanava.

Dirigindo-se a mim, impossibilitado de me mover, aquela coisa se aproximou com um som de garras que raspavam o soalho. E tudo terminou bem rápido.

Com uma de suas mãos...ou patas, ela me estendeu um livro. E depois, antes de desaparecer levando consigo seus asseclas demoníacos, disse me olhando nos olhos:

“Homem, se queres vingar aqui, toma! Lê! E nos Serve! Se não...”

E assim desapareceu como se nunca ali estivera.

Fiquei sozinho com meu horror, com minhas impressões alucinadas, com meus nervos destruídos. E assim veio a manhã do terceiro dia.


(Continua)

Um comentário:

Anônimo disse...

Henry, cada vez mais angustiante e misterioso, confesso que este trecho foi surpreendente!!!!

Tânia

LÊ AGORA!

A Rainha dos Pantanos - Henry Evaristo

Virgílio - Henry Evaristo

UM SALTO NA ESCURIDÃO - Henry Evaristo publica seu primeiro livro

O CELEIRO, de Henry Evaristo

Índices gerais

COMUNICADO

Este blog possui textos e imagens retirados de outros sites. No entanto, não temos intenção de nos apropriar de material autoral de quem quer que seja e solicitamos a quem não desejar ver sua obra republicada pela Câmara que entre em contato pelo e-mail disponibilizado para que nós possamos retirar imediatamente o conteúdo.

Qualquer contato pode ser feito pelo e-mail:

voxmundi80@yahoo.com.br



Henry Evaristo

Clique nos meses para ver nossas publicações.

LICENÇA DE USO DO CONTEÚDO DESTE BLOG

Selos de qualidade recebidos pela CT!

<b>Selos de qualidade recebidos pela CT!</b>
Indicado por Carla Witch Princess do blog WITCHING WORLD e por Tânia Souza do blog DESCAMINHOS SOMBRIOS.

Indicado pelo site GOTHIC DARKNESS

Indicado por Duda Falcão do blog Museu do Terror (www.museudoterror.blogspot.com)


Oferecido por Pedro Moreno do blog CRIPTA DE SANGUE



Indicado por VAMPIRELLA do blog Artes VAMPIRELLA http://vampirella84arts.blogspot.com/




Criado por WITCH PRINCESS; indicado por Tânia Souza do Descaminhos Sombrios.

Blog indicado: MASMORRA DO TERROR


AVISO AOS ESPERTINHOS!

CÓDIGO PENAL - ARTIGOS 184 E 186


Art. 184. Violar direitos de autor e os que lhe são conexos:

Pena – detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, ou multa.

§ 1º Se a violação consistir em reprodução total ou parcial, com intuito de lucro direto ou indireto, por qualquer meio ou processo, de obra intelectual, interpretação, execução ou fonograma, sem autorização expressa do autor, do artista intérprete ou executante, do produtor, conforme o caso, ou de quem os represente:

Pena – reclusão, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa.

§ 2º Na mesma pena do § 1o incorre quem, com o intuito de lucro direto ou indireto, distribui, vende, expõe à venda, aluga, introduz no País, adquire, oculta, tem em depósito, original ou cópia de obra intelectual ou fonograma reproduzido com violação do direito de autor, do direito de artista intérprete ou executante ou do direito do produtor de fonograma, ou, ainda, aluga original ou cópia de obra intelectual ou fonograma, sem a expressa autorização dos titulares dos direitos ou de quem os represente.

§ 3º Se a violação consistir no oferecimento ao público, mediante cabo, fibra ótica, satélite, ondas ou qualquer outro sistema que permita ao usuário realizar a seleção da obra ou produção para recebê-la em um tempo e lugar previamente determinados por quem formula a demanda, com intuito de lucro, direto ou indireto, sem autorização expressa, conforme o caso, do autor, do artista intérprete ou executante, do produtor de fonograma, ou de quem os represente:

Pena – reclusão, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa.

§ 4º O disposto nos §§ 1o, 2o e 3o não se aplica quando se tratar de exceção ou limitação ao direito de autor ou os que lhe são conexos, em conformidade com o previsto na Lei nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998, nem a cópia de obra intelectual ou fonograma, em um só exemplar, para uso privado do copista, sem intuito de lucro direto ou indireto.



Seja um fiel seguidor da Câmara dos Tormentos!

LÊ AGORA!

Matilhas - Henry Evaristo

O Lugar Solitário - Henry Evaristo

A Clareira dos Esquecidos (primeira parte) - Henry Evaristo

O OCASO DE HAES-NORYAN, de Henry Evaristo

EU REÚNO AS FORÇAS DOS ABÍSMOS , de Henry Evaristo

Antologia do Absurdo! Um valhacouto de histórias trêfegas! Adquira o seu!

<b>Antologia do Absurdo! Um valhacouto de histórias trêfegas! Adquira o seu!</b>
Para mais informações, clique na imagem!