ACESSE O BLOG OFICIAL DO LIVRO "UM SALTO NA ESCURIDÃO"


PUBLICAÇÕES MAIS RECENTES

23.12.08

FELIA NATAL, MILDRED!

FELIZ NATAL, MILDRED

AUTOR: ROGÉRIO SILVÉRIO DE FARIAS

321

Ilustração:Fotomontagem com imagens retiradas do site Google

FELIZ NATAL, MILDRED!

Um conto de Rogério Silvério de Farias



Somos jovens; velha é a estrada!

Frase pernambucana


É, querida Mildred, a vida não vale realmente nada, ela é efêmera, fugaz, e no final, Mildred, no final só os vermes triunfam.

Somos torturados pela passagem dos anos, envelhecemos fisicamente, mas nossas almas continuam inquietas, jovens de tanto querer e sonhar.

E o amor, Mildred? Ah, o amor!...O amor é uma vala rasa onde depositamos nossos corações pútridos, o amor nos mata vagarosamente, como um veneno lento e de efeitos devastadores e mortíferos.

É Natal, Mildred. E agora eu sou um velho, apenas um velho.

O Natal pode ser uma data terrível para um homem velho e solitário como eu. É, minha querida Mildred, o amor e a solidão acabam enlouquecendo a mente de qualquer um, ainda mais de um velho sonhador e louco como eu.

Eu não a tenho mais, Mildred, pois você se foi faz algum tempo, e me deixou aqui, com minha dor, com os achaques da velhice, na solidão fantasmagórica dos anos sombrios.

Parece que foi ontem quando nos conhecemos, em Olinda. Éramos turistas estrangeiros conhecendo as belezas de Pernambuco, no Brasil. Eu e você acabamos nos apaixonamos e por aqui ficamos.

Só que o tempo passou, Mildred. O tempo, o maldito tempo passou, acabando com tudo, acabando com nossos sonhos e esperanças. E veio então a velhice. Veio a doença. E veio a morte. E a morte levou você, Mildred. Para sempre, para sempre. Para bem longe de mim.

Recordações que me vem à mente. De um tempo de alegria a seu lado. De carinho. Compreensão. Um tempo que não volta mais, a não ser nos sonhos alucinados de um ancião enlouquecido como eu.

Sou um velho amargo que procura um sentido para a vida na morte. Um velho decrépito, bêbado. Um velho que não agüenta mais a solidão da velhice e da vida.

Daqui a pouco será Natal, Mildred. E o Natal é uma coisa horrível para quem vive só como eu.

Começa a chover. É uma garoa. O vento balança os salgueiros tristonhos. É quase meia-noite.

As pessoas estão em casa, reunidas. Mas eu, eu estou só. Um velho amargurado desprezado por todos. Um velho ranzinza e amargurado.

Preciso sair, Mildred. Preciso ir vê-la, como venho fazendo há anos, desde que você se foi, Mildred.

A noite é escura. O cemitério fica perto de casa. Levarei a lanterna. E levarei outras coisas, também.

Ninguém me verá. Aqui é uma cidade pequena, que fica perto de Olinda, em Pernambuco. Foi aqui que viemos morar, depois que nos casamos em Olinda. Ainda lembro sua frase, Mildred, sussurrada em meus ouvidos, “Eu te amo, Elliot! Viveremos felizes para sempre, aqui, neste paraíso do Brasil!”.

Nada é para sempre, Mildred. Nada.

Começo a tossir enquanto caminho rumo ao cemitério. Quando se é um velho acabado como eu, nada mais importa, Mildred. Nada.

Preciso vê-la novamente, meu amor! Oh, Mildred! A vida tornou-se um fardo insuportável sem a sua presença física ao meu lado.

O peso dos anos acaba enlouquecendo. Um velho pode ser um louco fantasma vivo, na trilha tortuosa que o leva à morte.

Este Natal eu a reencontrarei, Mildred. Meu Papai Noel será a Morte. A Morte Noel! Mas antes eu a verei, eu a verei fisicamente, mais uma vez, Mildred. Eu a verei antes de morrer para este mundo insano, Mildred.

Um velho como eu enlouquece aos poucos, na amargura de uma velhice solitária e rancorosa. Um velho como eu abraça o cadáver putrefato de sua amada retirado da tumba, na noite silenciosa e amarga. Um velho que antes de morrer, abraça a morta, Mildred, um corpo já em adiantado estado de decomposição, abraça-a como um velho necrófilo, no seu último gesto de paixão e loucura, no seu último desejo de amor, antes de morrer de velhice.

A chuva começa a aumentar. Começo a tossir enquanto começo a forçar o pé-de-cabra no jazigo. Estou doente e velho, mas ainda restam-me as derradeiras forças. E logo com a mesma ferramenta começo a abrir o túmulo. O túmulo de minha querida Mildred, morta a mais de vinte anos.

Antes de morrer para este mundo,eu a abraçarei novamente, o seu cadáver decomposto, o corpo pútrido, fétido e esquelético de meu amor, de minha querida e inesquecível Mildred, morta a mais de duas décadas!

Descansaremos em paz, Mildred! Em paz, com amor, juntos, na morte!


Nenhum comentário:

LÊ AGORA!

A Rainha dos Pantanos - Henry Evaristo

Virgílio - Henry Evaristo

UM SALTO NA ESCURIDÃO - Henry Evaristo publica seu primeiro livro

O CELEIRO, de Henry Evaristo

Índices gerais

COMUNICADO

Este blog possui textos e imagens retirados de outros sites. No entanto, não temos intenção de nos apropriar de material autoral de quem quer que seja e solicitamos a quem não desejar ver sua obra republicada pela Câmara que entre em contato pelo e-mail disponibilizado para que nós possamos retirar imediatamente o conteúdo.

Qualquer contato pode ser feito pelo e-mail:

voxmundi80@yahoo.com.br



Henry Evaristo

Clique nos meses para ver nossas publicações.

LICENÇA DE USO DO CONTEÚDO DESTE BLOG

Selos de qualidade recebidos pela CT!

<b>Selos de qualidade recebidos pela CT!</b>
Indicado por Carla Witch Princess do blog WITCHING WORLD e por Tânia Souza do blog DESCAMINHOS SOMBRIOS.

Indicado pelo site GOTHIC DARKNESS

Indicado por Duda Falcão do blog Museu do Terror (www.museudoterror.blogspot.com)


Oferecido por Pedro Moreno do blog CRIPTA DE SANGUE



Indicado por VAMPIRELLA do blog Artes VAMPIRELLA http://vampirella84arts.blogspot.com/




Criado por WITCH PRINCESS; indicado por Tânia Souza do Descaminhos Sombrios.

Blog indicado: MASMORRA DO TERROR


AVISO AOS ESPERTINHOS!

CÓDIGO PENAL - ARTIGOS 184 E 186


Art. 184. Violar direitos de autor e os que lhe são conexos:

Pena – detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, ou multa.

§ 1º Se a violação consistir em reprodução total ou parcial, com intuito de lucro direto ou indireto, por qualquer meio ou processo, de obra intelectual, interpretação, execução ou fonograma, sem autorização expressa do autor, do artista intérprete ou executante, do produtor, conforme o caso, ou de quem os represente:

Pena – reclusão, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa.

§ 2º Na mesma pena do § 1o incorre quem, com o intuito de lucro direto ou indireto, distribui, vende, expõe à venda, aluga, introduz no País, adquire, oculta, tem em depósito, original ou cópia de obra intelectual ou fonograma reproduzido com violação do direito de autor, do direito de artista intérprete ou executante ou do direito do produtor de fonograma, ou, ainda, aluga original ou cópia de obra intelectual ou fonograma, sem a expressa autorização dos titulares dos direitos ou de quem os represente.

§ 3º Se a violação consistir no oferecimento ao público, mediante cabo, fibra ótica, satélite, ondas ou qualquer outro sistema que permita ao usuário realizar a seleção da obra ou produção para recebê-la em um tempo e lugar previamente determinados por quem formula a demanda, com intuito de lucro, direto ou indireto, sem autorização expressa, conforme o caso, do autor, do artista intérprete ou executante, do produtor de fonograma, ou de quem os represente:

Pena – reclusão, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa.

§ 4º O disposto nos §§ 1o, 2o e 3o não se aplica quando se tratar de exceção ou limitação ao direito de autor ou os que lhe são conexos, em conformidade com o previsto na Lei nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998, nem a cópia de obra intelectual ou fonograma, em um só exemplar, para uso privado do copista, sem intuito de lucro direto ou indireto.



Seja um fiel seguidor da Câmara dos Tormentos!

LÊ AGORA!

Matilhas - Henry Evaristo

O Lugar Solitário - Henry Evaristo

A Clareira dos Esquecidos (primeira parte) - Henry Evaristo

O OCASO DE HAES-NORYAN, de Henry Evaristo

EU REÚNO AS FORÇAS DOS ABÍSMOS , de Henry Evaristo

Antologia do Absurdo! Um valhacouto de histórias trêfegas! Adquira o seu!

<b>Antologia do Absurdo! Um valhacouto de histórias trêfegas! Adquira o seu!</b>
Para mais informações, clique na imagem!